Suinocultura

Qual a influência do conforto térmico na suinocultura?

No agronegócio a maior diretriz é o aumento da produtividade. Nesse âmbito, alguns requisitos são determinantes para alcançar um rendimento satisfatório na produção de carne suína, tais como instalações apropriadas, animais com alto potencial genético, status sanitário e manejo adequado.

Entretanto, para que todos esses elementos funcionem em sincronia, manter a ambiência do ciradouro é fundamental, e o conforto térmico na suinocultura é o fator-chave para movimentar essa engrenagem.

Mas quais são as práticas de manejo e os investimentos recomendados para aumentar a produtividade na suinocultura? E por que manter o conforto térmico nos galpões é tão importante para a boa produção? Continue a leitura e descubra!

A importância da suinocultura para a economia brasileira

O setor agroindustrial da suinocultura tem uma grande importância na economia nacional, fazendo do Brasil o quarto maior exportador de carne de porco do mundo. Segundo os dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), a produção de suínos aumentou em 0,7% no ano passado, mesmo com a retração das exportações, superando as estimativas após a Operação Carne Fraca, deflagrada em março de 2017.

Francisco Turra, presidente da ABPA, ressalta: “Esse episódio trouxe reflexões e lições. Quem é global não pode errar”. Para restaurar a credibilidade da carne brasileira e não perder o lugar nos mercados nacional e internacional, os produtores precisam se adequar, respeitar algumas premissas e se atualizar.

O bem-estar animal como ponto de partida

O conceito de conforto animal e sua relação com a produtividade é relativamente recente, tendo estudos iniciados em meados dos anos 60. A concepção do que é bem-estar animal pode variar conforme a espécie com que se lida, mas existem cinco pilares que norteiam as condutas dentro da fazenda.

Os animais que vivem em criadouros devem estar:

  1. livres de medo e estresse: assegurando condições que evitem o sofrimento mental;

  2. livres de desconforto: oferecendo um ambiente limpo, incluindo lugar agradável para descanso;

  3. livres de fome e sede: com acesso à água fresca e alimentação de qualidade;

  4. livres de dor, ferimentos e doenças: por meio da prevenção, diagnóstico e tratamento imediatos;

  5. livres para expressar seu comportamento natural: com espaço adequado para movimentação e manifestação de hábitos.

A relação entre o bem-estar animal e a produtividade é direta, ou seja, animal que passa bem produz bem. Quanto maiores forem os problemas enfrentados por eles, maior será o gasto energético para se recuperarem e menor será seu desempenho na produção. E a melhor maneira de evitar complicações é conhecendo muito bem sua fisiologia e seu comportamento.

Os porcos são especialmente sensíveis às variações de temperatura e à poluição sonora. Quando expostos a uma situação de desconforto, eles têm a tendência de emitir ruídos. Esse hábito leva a uma reação em cadeia — quanto mais estressados estão mais ruidosos se tornam e, quanto maior o barulho no galpão, mais agitados e perturbados ficam.

A saúde dos suínos é mensurada a partir das observações do seu estado físico e também das suas reações comportamentais. Estudos comprovam que quando estressados, ocorrem alterações significativas no seu organismo; altos níveis do hormônio cortisol são liberados, gerando uma sucessão de efeitos metabólicos que comprometem a qualidade da carne e a taxa de fertilidade das porcas.

O conforto térmico na suinocultura adequado às fases de crescimento

Uma das maiores dificuldades das fazendas de suinocultura é manter a zona de conforto térmico ideal e constante para leitões e matrizes. Isso porque eles têm necessidades distintas nas diferentes fases de crescimento. Ao nascerem, os leitões precisam de temperaturas em torno de 31 a 34 °C e, aos 35 dias de vida, entre 26 e 30 °C. Já para as matrizes, a faixa de temperatura agradável é dos 16 aos 21 °C.

Algumas medidas podem ser adotadas pelo produtor para contornar essas dificuldades. Na maternidade, por exemplo, o uso de escamoteadores com aquecimento ajustado para os leitões pode ser uma boa solução. Uma alternativa interessante é o sistema de arrefecimento localizado sobre a cabeça das porcas em lactação, que conduz o ar externo por canais de resfriamento até ser soprado em cima dos animais.

Estudos indicam que o uso de ventiladores de qualidade somado à instalação de nebulizadores gera um ambiente confortável nos galpões e o resultado é um aumento na espessura do toucinho das porcas alojadas. A nebulização garante a umidade e o resfriamento necessários enquanto os ventiladores asseguram o controle dessa umidade e a circulação de ar.

A produtividade e a responsabilidade ambiental

O comportamento do consumidor já não é mais o mesmo de antigamente. As pessoas têm mostrado, cada vez mais, sua preocupação em relação à qualidade dos produtos que consomem. Porém, esse cuidado na hora da compra não se limita somente ao que chega à mesa, mas também na forma como chegou.

A população está mais consciente no que diz repeito à maneira como os animais são tratados e à postura da empresa quanto a sua responsabilidade ambiental. Respeito é a palavra de ordem, desde o tratamento dos animais, à utilização de recursos naturais sem desperdícios e ao manejo dos dejetos.

Com o avanço da tecnologia, as porcas hoje apresentam um alto valor genético com enorme potencial para gerar muitos leitões. Entretanto, esse potencial não garante sozinho a lucratividade do negócio. O produtor precisa ter em mente que uma fazenda sustentável é aquela que propicia um ambiente agradável para todos os envolvidos — animais e técnicos.

Investimentos na infraestrutura da propriedade, na capacitação de pessoal e na adequação do manejo dos animais fazem toda a diferença na produtividade do empreendimento. Galpões idealmente climatizados, com sanidade controlada e livres de fatores estressantes possibilitam às porcas condições tranquilas e estáveis, aumentando sua taxa reprodutiva e gerando leitegadas mais uniformes.

Um bom planejamento com metas bem estabelecidas e com foco no conforto animal proporciona ao produtor uma visão global e unificada de todo o sistema de produção. Associar tecnologia com ética e responsabilidade ambiental é a receita de sucesso para a agroindústria de proteína animal.

A importância da manutenção do conforto térmico na suinocultura ficou clara para você? Outras dúvidas surgiram? Confira mais um de nossos posts e saiba como os equipamentos e o uso da tecnologia podem ajudar na criação de suínos. Esperamos que goste da leitura!

Deixar comentário.

Share This