Avicultura

Nutrição de aves: quais são as melhores práticas? Entenda!

Os investimentos em aperfeiçoamento genético de frangos vêm sendo feitos desde o final da Segunda Guerra e essas melhorias reestruturaram significativamente o sistema de produção avícola no mundo todo. Entre esses avanços, o implemento de boas práticas de manejo e conforto animal e o cuidado com a qualidade da nutrição de aves elevaram a produtividade e fizeram do Brasil o maior exportador de carne de frango do mundo.

As pesquisas genéticas diminuíram os custos na cadeia produtiva, ao mesmo passo que a disponibilidade de informações aumentou a exigência dos consumidores. Existe, hoje, uma reivindicação da sociedade por condições dignas nos criadouros, além de se saber que o bem-estar dos animais interfere na qualidade do produto. E os avicultores que perceberam essa relação, têm seu lugar no mercado e a rentabilidade do negócio garantida.

Mas qual a importância de seguir boas práticas de nutrição na granja? Quais são os desafios que os avicultores enfrentam nessa etapa da produção e como contorná-los? Continue a leitura do nosso artigo e descubra!

Como a conversão alimentar em frangos aumenta a produtividade?

O aperfeiçoamento genético dos animais é o grande responsável pela elevação da produtividade nas granjas. As linhagens desenvolvidas a partir da seleção de características específicas apresentam maior plasticidade imunológica, melhoria na conversão alimentar, maior peso de abate e rendimento de carcaça e uma redução da idade ao abate.

O Índice de Conversão Alimentar é um parâmetro de produtividade definido pelo consumo total de ração em um determinado período de tempo, dividido pelo ganho de peso médio do lote nesse mesmo período. Ou seja, o quanto de ração foi necessário para a ave atingir o seu peso.

Uma vez que o peso médio define o faturamento, o objetivo é diminuir esse índice e aumentar o nível de Eficiência Alimentar, já que os custos com alimentação são os maiores na cadeia de produção.

Esse segundo índice corresponde à capacidade que os frangos têm de converter os nutrientes em carne. E, para se alcançar o aproveitamento máximo do potencial genético dos animais, é preciso compreender quais são os fatores que influenciam positiva e negativamente a sua conversão alimentar.

Quais são as exigências para a nutrição de aves de corte?

Uma vez entendido que as qualidades genéticas dos animais são destacadas quando as práticas de manejo são executadas adequadamente, fica evidente que a qualidade da ração deve ser levada a sério. E, para elaborar uma dieta rica e eficiente, é preciso conhecer as necessidades nutricionais dos frangos em cada fase da vida. Um pintinho em crescimento tem carências diferentes de um frango com três semanas de idade.

A fórmula deve considerar, portanto, a idade, o peso e a finalidade da ave. De modo geral, os principais ingredientes na composição final da ração — mais de 80% — são a soja e o milho — moído e farelo de soja desengordurado. Os demais componentes devem complementar os nutrientes que estejam ausentes ou em baixa concentração na mistura. 

A Embrapa recomenda que se misture 10% do núcleo de frango de corte para a fase inicial, com 60% de milho moído e 30% de farelo de soja, 46% de proteína bruta (PB). Para a fase de recria e crescimento, é sugerida uma mistura de 10% do núcleo de frango de corte com 65% de milho moído e 25% de farelo de soja, 46% de PB.

Cabe salientar que os ingredientes devem seguir especificações de qualidade e que a produção de alimentos nas granjas deve seguir regulamentos e padrões do Ministério da Agricultura. 

É imprescindível observar e respeitar as instruções dos fabricantes dos núcleos bem como a retirada de ingredientes e aditivos, de acordo com a recomendação no rótulo das embalagens. Além disso, é indicado adquirir as rações de um fornecedor idôneo, certificado para as Boas Práticas de Fabricação (BPF).

Outro ponto importante, é a manutenção da limpeza nas áreas de manipulação de ingredientes e de mistura de rações. Os insumos devem ser armazenados em sacos empilhados sobre estrados de madeira gradeados e mantidos a 40 cm das paredes. Isso facilita a limpeza e evita a presença de roedores.

Quais são as melhores práticas para nutrição de aves e a alta produtividade?

As boas características das aves — geneticamente selecionadas — devem ser aliadas à alimentação de qualidade e a práticas que assegurem o bem-estar animal. Assim, há o aproveitamento máximo dos recursos e, consequentemente, uma produtividade elevada. Veja alguns fatores que contribuem diretamente com isso:

Mistura da ração

É fundamental que a ração seja bem misturada e todos os ingredientes sejam distribuídos de forma homogênea para os frangos, evitando que eles escolham um ou outro componente.

Temperatura

Esse é um dos fatores que mais influenciam a conversão alimentar das aves. Em um ambiente frio, elas precisam consumir mais ração para manter a sua temperatura corporal e, quando expostas ao calor excessivo, elas diminuem o consumo e perdem energia para regular a sua temperatura.

As calorias utilizadas para manter o metabolismo não são convertidas em carne, causando uma baixa rentabilidade. Em galpões aclimatados, os nutrientes serão usados mais para o crescimento e produção de carne que para a regulação térmica.

Ventilação

Esse fator está diretamente ligado ao anterior. A primeira função dos ventiladores é diminuir a temperatura dentro dos galpões, porém, não é a única. O uso da ventilação é necessário constantemente nos aviários, dada a importância do ar limpo e fresco para o bem-estar das aves e seu ganho de peso.

Altos níveis de amônia e outros gases tóxicos afetam consideravelmente a conversão alimentar dos frangos e, nos meses mais frios, o acúmulo cresce. Portanto, os equipamentos para ventilação devem ser ligados sempre e, no inverno, associados a sistemas de aquecimento.

Qualidade da água

A performance de aves que consomem água de baixa qualidade é abaixo da média. Isso porque a água contaminada provoca diarreia e má absorção dos nutrientes.

Ao eliminar as impurezas, a melhoria no desempenho é imediata. Os bebedouros do tipo niple são mais indicados que os pendulares, pois oferecem menos chances de contaminação.

Luz

Frangos jovens precisam de mais horas sob a luz com maior intensidade. Após os 21 dias, a luminosidade pode ser gradualmente reduzida para diminuir a sua atividade e promover o ganho de peso.

Saúde

A saúde influencia na conversão alimentar e é preciso manter o status sanitário da granja. Entretanto, cabe dar especial atenção à integridade do trato intestinal dos frangos, uma vez que é nessa região que ocorre a absorção da maioria dos nutrientes.

Comportamento

Os frangos respondem positivamente às boas práticas de manejo. Aves criadas em ambientes calmos e agradáveis, têm rendimento superior àquelas que são tratadas com muita movimentação e ruídos. Altos níveis de estresse alteram o seu metabolismo, prejudicando o crescimento e diminuindo a eficiência alimentar.  

Como você pode perceber, o manejo adequado dos frangos, além de ter valores humanitários e éticos, é a garantia da alta produtividade e do aumento nos lucros. O produtor que entende como todos esses processos estão interligados consegue tirar o máximo dos recursos, alavancando a sua produtividade e promovendo a sustentabilidade ambiental.

Nosso artigo sobre nutrição de aves foi esclarecedor para você? Quer continuar atualizado sobre as novidades do agronegócio? Então assine a nossa newsletter e se mantenha informado! 

Deixar comentário.

Share This