Suinocultura

5 dicas importantes de bem-estar animal na suinocultura

Escrito por Marcelo Raimundo

O Brasil exporta carne suína para diversos mercados: União Europeia, Hong Kong e Rússia. Por esse motivo, os produtores precisam ficar atentos às exigências em relação ao manejo e bem-estar animal na suinocultura.

Quando o produtor cuida do ambiente em que o suíno está inserido, da sua alimentação e temperatura, é possível obter maior produtividade e qualidade na carne. Quer entender melhor sobre o assunto? Acompanhe as dicas que preparamos para você!

1. Cuide da alimentação do suíno

O primeiro cuidado básico para assegurar o bem-estar animal na suinocultura é a alimentação. O produtor precisa oferecer uma ração de qualidade, à base de milho, soja vitaminas e minerais. A quantidade varia de acordo com a fase de produção do animal e deve seguir as recomendações da Tabela Nutricional para Aves e Suínos

A ração também precisa ser colocada em um local de fácil acesso. Além disso, é fundamental que haja uma preocupação para não gerar uma competição pelo alimento, visto que isso pode causar brigas. Uma medida que pode amenizar essa situação é a separação das matrizes dos animais dominantes. Isso evita que o leitão menor tenha dificuldades de crescimento e alimentação.

Sendo assim, a ração pode ser oferecida em comedouros com um espaço médio de 1,1 vez a largura do quarto dianteiro do animal. Esses ambientes precisam ser limpos e higienizados rotineiramente.

Para complementar, os animais devem receber água limpa e fresca diariamente. A altura dos bebedouros precisa estar ajustada de acordo com o tamanho dos suínos, e os equipamentos devem passar por manutenção com frequência. Também é importante ter reservas para possíveis emergências, em casos de falta temporária de abastecimento de água ou período de seca.

2. Mantenha o conforto para o bem-estar animal na suinocultura

As instalações precisam estar adequadas para o suíno. Para tanto, o produtor deve investir em um manejo correto, com abrigos e áreas para descanso. É essencial oferecer conforto térmico para evitar o estresse animal. O suíno possui grande dificuldade para dissipar o calor e manter suas funções vitais, logo, as temperaturas elevadas podem prejudicar o seu desenvolvimento.

Segundo dados da Embrapa, a temperatura do ambiente deve permanecer entre 16 ºC e 22 ºC para garantir o conforto térmico das leitoas durante a fase de cobrição e gestação. Isso pode ser feito ao utilizar janelões, cortinas e ventiladores de alta qualidade e eficiência. As porcas gestantes também precisam ser mantidas em alojamento coletivo para que tenham maior interação com os animais.

Já os leitões recém-nascidos precisam ser armazenados nas salas de creche com temperatura controlada de 26 ºC e sem correntes de ar. Também é fundamental fazer a desinfecção do espaço para garantir o bem-estar animal na suinocultura.

Essa prática evita o estresse térmico e a perda de peso, que prejudica o crescimento saudável dos animais. Por esse motivo, o produtor precisa ter uma equipe técnica qualificada para fazer o manejo adequado dos suínos.

3. Tenha um ambiente controlado e adequado

Os suínos devem ser mantidos em espaços cobertos, sem acesso ao solo. Desse modo, eles ficam protegidos das intempéries e das oscilações bruscas de temperatura. As instalações elétricas precisam ser cobertas e aterradas para evitar que os leitões se machuquem.

O espaço também deve permitir que os animais possam se movimentar e deitar com tranquilidade, sem atropelos. Também é recomendável oferecer palha e lascas de madeira ou serragem para que eles possam mastigar e explorar o ambiente. A superfície do piso precisa estar sempre seca e limpa a fim de evitar doenças.

4. Cuide da saúde do animal

Os suínos devem receber as vacinas disponíveis e recomendadas pela Embrapa. Elas diminuem os riscos de perdas econômicas do produtor e previnem doenças. Um calendário básico inclui injeções contra:

  • parvovirose;
  • colibacilose;
  • rinite atrófica;
  • pneumonia enzoótica.

Geralmente, elas são compostas por mais de uma dose e precisam ser aplicadas em diferentes períodos de crescimento, como durante a gestação e após o parto. O veterinário tem papel fundamental nesse processo, pois ele é responsável por orientar o produtor e fazer as vacinações.

Também é essencial ficar atento aos possíveis sinais de doenças nos animais. Quanto mais rápido for o diagnóstico, mais fácil será o tratamento. Para evitar contaminações, o produtor deve fazer a limpeza e desinfecção das áreas internas das baias com frequência.

5. Mantenha a temperatura adequada para evitar o estresse animal

As instalações precisam contemplar uma ventilação suficiente para evitar excesso de umidade e calor, pois os suínos têm grande probabilidade de desenvolver doenças respiratórias. Por isso, o produtor precisa evitar uma concentração de amônia acima de 10 ppm e deve fazer o monitoramento a cada duas semanas.

Além disso, a temperatura deve estar adequada de acordo com a fase de crescimento e tamanho do animal. Suínos com mais de 70 quilos, por exemplo, precisam ficar em ambientes com temperatura entre 10 ºC e 25 ºC. O produtor pode instalar ventiladores, aspersores e nebulizadores para evitar o calor excessivo durante o verão. Alguns equipamentos do mercado são eficientes e emitem pouco ruído. 

O veterinário também deve orientar o produtor sobre a incidência de luz nos ambientes, a fim de assegurar o bem-estar animal na suinocultura. Um sistema de iluminação de 16 horas contribui para o ganho de peso, por exemplo.

Ao verificar a pressão sonora, o produtor consegue avaliar se as condições estão ideais. Quando há algum desconforto, os níveis ultrapassam os 60 decibéis. Nesse caso, cabe ao produtor e ao veterinário trabalharem em conjunto para identificar as causas de irritação no grupo. Caso contrário, poderão ocorrer brigas e lesões.

Ademais, o estresse animal provoca a secreção endógena de ACTH. Esse hormônio estimula a produção de cortisol, resultando em baixa eficiência produtiva ou infertilidade.

O cuidado com o transporte também é essencial para evitar que os animais tenham medo ou sofram muito. Sendo assim, é recomendável disponibilizar água potável e fazer o jejum mínimo de 4 horas antes do abate.

Enfim, o cuidado com o bem-estar animal na suinocultura é fundamental para garantir a produtividade e qualidade dos leitões. Este post trouxe informações úteis para você? Compartilhe-o nas suas redes sociais favoritas e ajude outros profissionais da área! 

Deixar comentário.

Share This